A dona Cecília já viveu um século com muitas histórias e experiências. Nesse dia, houve grande festa na casa amarela, e até as rádios, as televisões, os jornais e a internet fizeram do acontecimento uma notícia de alcance mundial.

No entanto, apagar as 100 velas colocadas no seu bolo de aniversário foi um grande sacrifício para a dona Cecília. No dia seguinte: o corpo da centenária deu um grave sinal de tudo o que já tinha vivido e a senhora teve de ir para o hospital, deixando para trás os gatos Matias e Mimi. Porém, a fidelidade dos animais para com os humanos é das maiores provas de amor. Sem grande explicação racional são momentos e comportamentos que surpreendem toda a gente.

O autor de “Os Gatos da Casa Amarela”, António Mota, comemora 40 anos de carreira  nasceu em Vilarelho, Ovil, concelho de Baião, em 1957. Em 1979, o seu primeiro livro, intitulado “A Aldeia das Flores”, marcou o início da sua vida literária e não mais parou de escrever.

Atualmente é um dos autores mais lidos e premiados da literatura infantojuvenil portuguesa, tendo cerca de noventa títulos publicados, e a sua vasta obra foi, em grande parte, selecionada pelo Plano Nacional de Leitura.

Editora: LeYa/ASA