Por Filipa Moita | Responsável de Comunicação e Qualidade da ERP Portugal – Entidade Gestora de Resíduos

Desde o início da sua actividade que a ERP Portugal – Entidade Gestora de Resíduos tem na essência da sua estratégia de sensibilização e educação ambiental o contacto directo com as crianças

O ano 2018 marcou a história da entidade gestora com o lançamento de uma linha de comunicação dedicada aos mais pequenos, representada por um conjunto de personagens de uma banda desenhada, a Equipa dos REEE. Com a ajuda das divertidas personagens criadas especialmente para esta missão, são transmitidos os principais conceitos associados à reciclagem dos “velhos amigos eléctricos e electrónicos” e de pilhas usadas (resíduos complementares, fluxos específicos de resíduos geridos pela ERP Portugal. Através da empatia criada com as crianças tem sido possível enriquecer os veículos de informação e introduzir novos formatos e plataformas de comunicação, respondendo às características deste público sempre atento e astuto.

O Capitão Fluxo é o super-herói e tem como objectivo explicar aos seus amigos eléctricos e electrónicos o que lhes acontece quando chegam à fase final da sua vida. O Depositrão é o “comilão” de electrodomésticos e pilhas. As restantes cinco personagens representam as cinco categorias operacionais destes resíduos, que carecem de modos de tratamento distintos.

Geração Depositrão

O expoente máximo da estratégia da entidade gestora aponta as atenções para a campanha Geração Depositrão, em funcionamento contínuo há 10 anos, junto de mais de 900 Eco-Escolas e entidades. Até ao momento, já foram encaminhadas para reciclagem nesta campanha mais de 2100 toneladas de resíduos eléctricos e electrónicos e pilhas usadas, num balanço crescente e consistente de operações de recolha nestes locais (mais de 4500). Actualmente, as escolas já são reconhecidas como pontos de recolha de resíduos e as crianças que as frequentam exercem um poder de mobilização extraordinário, trazendo para o projecto entidades locais, logo facilitando o comportamento por parte dos cidadãos, responsáveis pelos resíduos que produzem. O elevado envolvimento é sentido pela participação activa e dedicada destas crianças na recolha de resíduos e resposta a desafios criativos, que promovem a pesquisa e investigação sobre o tema. A apetência natural para estas questões é trabalhada em contexto escolar por uma média de 40 mil professores e 420 mil alunos, embaixadores desta causa junto da comunidade envolvente. Uma abordagem positiva e pedagógica ao tema facilita a adesão à missão e conquista seguidores, massificando as boas práticas. Estes comportamentos são espelhados na recolha de resíduos e, também, na resposta a diversos desafios criativos segmentados por níveis de escolaridade e que todos os anos conduzem ao aprofundamento de conceitos e estimulam a reutilização de materiais e resíduos.

Já que o comportamento de um cidadão ambientalmente responsável se materializa em frentes distintas e complementares, a Geração Depositrão tem vindo a dar espaço a outros temas desta natureza, num espírito “eco” integrado. Na edição que está no terreno neste ano lectivo associamos a recolha e tratamento de pilhas usadas à protecção da floresta, evidenciando a nocividade das suas substâncias na contaminação dos solos. O eixo da mensagem consiste na introdução de determinados valores no conjunto de preocupações das crianças que, por sua vez, se traduzem em atitudes adequadas face aos resíduos e, finalmente, na adopção de comportamentos que se tornarão automáticos.

Influenciar comportamentos

A aprendizagem efectiva de comportamentos por parte destas crianças apresenta um efeito multiplicador, na medida em que são excelentes influenciadores de comportamentos dos seus familiares, amigos e vizinhos. Claramente que as crianças (e as escolas) funcionam como epicentro de sensibilização e motivação de comportamentos, capitalizando a atenção da comunidade envolvente e levando-a à acção.

Mesmo no período de férias os cidadãos reconhecem esta função das escolas e dirigem-se às suas instalações para entregar os seus resíduos. Toda esta envolvência junto das escolas e dos mais novos é apenas uma das vertentes de trabalho da ERP Portugal.

As principais vantagens desta entidade são comunicadas para estimular o início do fluxo de gestão dos resíduos na óptica do consumidor, em que se deve registar a selecção de um canal específico (e gratuito) para deposição dos resíduos (troca do velho pelo novo nas lojas), o Depositrão. Este encontra-se presente em escolas, lojas e espaços públicos, fazendo-se seguir pela triagem e consolidação, possibilidade de reutilização e reciclagem para a obtenção de matérias-primas para o fabrico de novos objectos de plástico, metal ou vidro.

Os esforços para sensibilizar a população sobre a importância da reciclagem e o papel dos consumidores para garantir este processo não podem cessar, o nosso gesto no presente deverá continuar a fazer a diferença não só no futuro, mas já no presente.

Dicas

As lâmpadas fluorescentes contêm mercúrio e são bastante nocivas para o ambiente; quando avariadas devem ser colocadas no Depositrão ou entregues nas lojas.

A rede de recolha de proximidade da ERP Portugal é composta por mais de 2600 locais; certamente que temos sempre algum Depositrão para descartar uma torradeira, secador de cabelo ou computador, ou outro pequeno doméstico ou pilha usada.

No caso dos equipamentos de maior porte que já estão obsoletos o canal mais fácil é via lojas; na entrega ao domicílio do novo equipamento correspondente, devemos encaminhar o velho. A título de exemplo, e dada a perigosidade dos gases CFC que se encontram no interior dos frigoríficos, o serviço de recolha do equipamento obsoleto pode ser solicitado aquando da compra do novo.

O plástico dos electrodomésticos pode ser aplicado em tubagens ou peças utilitárias (baldes, pás, cabides, etc.) e o vidro dos CRT em materiais de construção e base das estradas. Quando olhamos para os nossos resíduos devemos ter consciência de que podem dar origem a novos produtos, evitando a extracção de matérias-primas virgens.

Vários materiais de construção e base das estradas podem conter vidro dos CRT.

Os metais podem ser fundidos e dar origem a novas peças dos mesmos.

Artigo publicado na revista Kids Marketeer nº4 de Junho de 2018.