Vidal Balielo Jr. / Pexels

Independentemente de os seus pais serem os seus melhores amigos ou se mal os conhecia, os progenitores têm um papel crucial na pessoa que é actualmente. Sigmund Freud foi um dos primeiros a dizê-lo com a sua teoria de que a personalidade adulta desenvolve-se a partir de experiências da primeira infância – teoria esta provada empiricamente mais tarde pela psicologia do desenvolvimento e teoria do apego.

Diversos estudos e pesquisas também encontraram ligações entre o comportamento dos pais durante a infância do filho e a pessoa adulta em que o este se transforma. De seguida mostramos-lhe 10 comportamentos dos pais que podem explicar a forma como a criança age em adulto.

Independência

Se os seus pais o mandavam fazer tarefas, provavelmente agora em adulto assume tarefas, de forma independente. Por isso, agradeça aos seus pais a insistência para que fizesse a cama todos os dias. Segundo os especialistas, as crianças que crescem a fazer tarefas, em adultos assumem mais responsabilidade no trabalho e não esperam que lhes sejam atribuídas tarefas. Já uma pesquisa de Harvard indica que as crianças desempenharem tarefas pode levá-las a serem mais felizes no futuro.

Competências sociais

Um estudo norte-americano que acompanhou 700 crianças por mais de 20 anos concluiu que as crianças cujos pais tinham ensinado competências sociais, eram mais propensas a obter um diploma universitário e um trabalho a tempo inteiro.

Confiar nas pessoas

Outra conclusão a que os especialistas chegaram é que os pais que diziam mentiras inocentes aos filhos para estes não sofrerem estavam a criar um adulto com problemas em confiar noutras pessoas.

Autoconfiança

Se os seus pais falavam negativamente sobre o seu corpo, é provável que em adulto tenha pouca autoconfiança. De acordo com a psicoterapeuta Christine Scott-Hudson, fazer comentários negativos sobre outros corpos envia sinais às crianças de que existem pessoas com corpos melhores, baixando a auto-estima.

Melhor desempenho

Se os pais definirem expectativas altas para os filhos, provavelmente estes têm um melhor desempenho escolar. Um estudo de 2015 mostrou que esta tendência era comum a famílias com rendimentos altos e baixos.

Tal e qual a mãe

Um estudo liderado pela psicóloga Sandra Tang da Universidade de Michigan mostrou que os filhos de mães que concluíam o liceu e frequentavam a faculdade, obtinham o mesmo grau de estudos que a progenitora.

Stress e matemática

O stress da mãe pode explicar o mau desempenho do filho na disciplina de matemática.Um estudo de 2015, publicado no Journal of Marriage and Family, constatou que a ansiedade das mães pode originar problemas comportamentais e emocionais, assim como resultados mais baixos nos testes de matemática.

Melhor ordenado

Através de um estudo, a Harvard Business School descobriu que as filhas de mães trabalhadoras ganhavam, em média, mais 23% do que as raparigas de mães que ficavam em casa. O mesmo estudo mostrava ainda que o primeiro grupo completava mais anos de faculdade, assim como ocupavam mais funções de gestão.

Mais atenção

Pais que criam ambientes repletos de atenção e amor, desde o nascimento da criança, têm filhos com melhor desempenho escolar. Quem o diz é a Biblioteca de Medicina dos EUA.

Falar de emoções

Pais que ensinam a verbalizar sentimentos, diminuem as probabilidades de os filhos se divorciarem. De acordo com a psicóloga Rebecca Bergen, “se os pais incentivarem os filhos a usarem palavras para descrever sentimentos complexos, estes vão comunicar melhor nas suas relações românticas em adultos”.