José Borralho, Presidente da sKool

E se pudéssemos criar um dia de escola perfeito para os nossos filhos, como seria? Onde estariam? Que tipo de actividades fariam? Estas três simples questões podem levar-nos a  muitas respostas e a uma longa discussão sobre os métodos de ensino actuais.

O objectivo dos sistemas educacionais é o de produzir bons resultados académicos e formar melhores cidadãos e mais bem preparados e, apesar de nenhum sistema ser perfeito, existem alguns países com excelentes resultados académicos e com sucesso na criação de habilidades pessoais, que ajudaram os alunos a destacarem-se na vida e no mercado de trabalho.

É exemplo disso o Japão, que aposta no desenvolvimento do carácter antes mesmo do conhecimento, criando hábitos exemplares. Recordemo-nos do exemplo de civismo dado pelo seus adeptos neste Mundial de futebol, em que no final de cada jogo limpavam todo o lixo das bancadas, para espanto de todo o mundo. Os primeiros anos da vida escolar de uma criança no Japão é dedicado ao desenvolvimento do respeito pelo próximo, compaixão e generosidade, bem como a introduzir os conceitos de certo e errado, justiça, autocontrolo e determinação. Essas habilidades estabelecem o equilíbrio necessário para ter sucesso dentro da sala de aula e pelo resto da vida do estudante.

A Finlândia é outro dos casos, a par com outros países escandinavos, como a Noruega e a Suécia, onde é dada grande importância ao contacto com a natureza, evitando o sedentarismo, mas, sobretudo, encorajando as crianças a serem mais activas. E na Alemanha evita-se a competição entre as escolas, não publicando índices de performance escolar, pois acredita-se que isso coloca pressão nas crianças para que tenham o melhor rendimento.

As três questões colocadas antes acabam por se resumir numa: existe o ensino perfeito?

Não existe um sistema educacional que inclua todas as necessidades, opiniões e diferenças culturais, mas o que se destaca em todos eles é o investimento em factores emocionais e positivos, que ajudam a desenvolver as habilidades e a mentalidade necessárias à vida da criança. Além disso, a valorização do investimento na qualidade dos professores também aparece como algo importante e comum aos grandes sistemas de ensino.

Embora muitas vezes não pareça, as crianças adoram aprender e aprender exige um ambiente adequado. Neste ambiente a experiência e a expressão são essenciais para a aprendizagem e esta acontece quando há envolvimento activo.

sKool para uma aprendizagem activa

Com base nesta permissa foi criado um projecto chamado sKool – Associação Sobre Crianças Orientadas em Open Learning, onde as crianças brincam, mas aprendem. Partilhamos todos, muito provavelmente, da opinião que o método de ensino normalizado actual não está alinhado com a evolução social sofrida nas últimas décadas e que a vida intelectual das crianças não pode ser apenas alcançada pelo exercício da sua mente, como se fossem meras máquinas de memória.

As crianças precisam de qualidade e não quantidade de informação e porque para nós a educação é muito mais que acumular conhecimento, na sKool promovemos a aprendizagem activa das crianças na construção do seu conhecimento, através do questionamento e da exploração de materiais, interacção com os outros, promoção do diálogo e sistematização dos conteúdos curriculares. Valorizamos ainda as aprendizagens em contexto real, através da exploração fora da sala de aula e em proximidade com a comunidade local.

Ao tratar as crianças como pessoas significa que as orientamos para perceberem o que são hábitos de autodisciplina, através de uma rotina diária, concentração, autocontrolo, honestidade, cooperação e altruísmo. Significa também que inspiramos as crianças a aprender, respeitando a sua personalidade, enquanto ganham autonomia e liberdade para decidir onde e como devem estudar, de modo a evoluir de acordo com o seu estado de conhecimento.

Formar crianças felizes

É nossa missão ajudar a formar adultos felizes, livres, equilibrados, responsáveis, criativos, com capacidade de iniciativa e espírito crítico, preocupados com o bem-estar comum e capazes de intervir activamente na sociedade de modo a influenciar a sua cultura.

Ao trabalhar com crianças em ensino doméstico, acabamos por nos diferenciar, porque o nosso método de aprendizagem em open learning foca-se nas crianças e nas suas capacidades, incentivando-as, recorrendo ao seu envolvimento em lições curtas, com a tecnologia, os recursos locais e o meio ambiente, deixando-as crescer.

Neste contexto apostamos numa aprendizagem activa – mais do que um observador, cada criança é um criador e um participante activo no processo de construção do seu conhecimento. Privilegiamos o ensino- aprendizagem centrado nas crianças, onde o tutor desempenha o papel de facilitador na promoção da curiosidade, do poder de observação, da capacidade de resolução de problemas e da experimentação.

São os desafios reais que motivam a exploração dos conteúdos e o desenvolvimento de competências. Ao favorecer a aprendizagem a partir do questionamento contribuímos, simultaneamente, para melhorar a capacidade de compreensão das crianças, promover a sua motivação, pensamento crítico e o interesse generalizado pela aprendizagem. Apostamos na diversidade dos materiais e na sua manipulação, incentivando, tanto o uso de materiais produzidos pelas próprias crianças, como o uso coerente de tecnologia.

O mundo para lá da sala de aula

Promovemos a interacção – as aprendizagens mais significativas ocorrem por meio da aquisição de conhecimentos e competências aplicadas em contexto. Acreditamos que todas as crianças devem experienciar o mundo para além da sala de aula, como parte integrante da construção do conhecimento e do desenvolvimento pessoal. Os pátios, jardins, florestas, bibliotecas, museus, laboratórios ou outros espaços culturais e desportivos representam excelentes ferramentas de trabalho.

A ligação às famílias e à comunidade local favorece o contacto das crianças com desafios que fazem parte da sua vida diária, ao mesmo tempo que promove o uso destes ambientes como pontos de partida para trabalhar qualquer tema do currículo.

Somos entusiastas da humanidade, respeito, abertura, afecto e da interactividade entre crianças e a comunidade. Em conjunto, as interacções com os outros e com o meio ambiente contribuem para tornar a aprendizagem mais atractiva e relevante para as crianças, estimulando, inspirando e formando cidadãos activos e cuidadores do ambiente.

É igualmente relevante a diferenciação pedagógica – as crianças trabalham colaborativamente, através do desenvolvimento de projectos e num ambiente de interajuda, mas todos aprendemos de forma diferente, com ritmos, métodos e interesses de aprendizagem distintos. As estratégias de aprendizagem centradas nos alunos conduzem a melhorias no seu desempenho e contribuem para o desenvolvimento global das crianças, respeitando a sua individualidade, contexto familiar e bem-estar global.

Olhar com sensibilidade

Na sKool promovemos a auto-estima, a confiança e o aproveitamento do potencial de cada criança, através de um olhar sensível para as suas capacidades e para a criação de metodologias adaptadas a cada uma.

Não só as metodologias são importantes para estimular o interesse dos alunos ao longo do processo de aprendizagem, mas também os próprios conteúdos curriculares. A flexibilização do currículo escolar permite trabalhar temas emergentes da sociedade, como os direitos humanos, a igualdade social, a sustentabilidade, as questões de género e a tecnologia, mas também a possibilidade de adaptar as temáticas às características individuais e necessidades específicas de cada aluno.

E, finalmente, apostamos na responsabilização, reflexão e avaliação – a construção do conhecimento é uma responsabilidade partilhada.

Ao assumir um papel activo na construção do seu próprio conhecimento, as crianças questionam, formulam hipóteses, planificam, exploram, reflectem e partilham o que aprenderam, colaborativamente, ou individualmente com o tutor. Avaliar significa reflectir de forma construtiva.

A avaliação pretende apoiar o processo educativo, através de um conjunto de procedimentos que, para além da certificação de conhecimento, assumem uma mais-valia na definição de estratégias e metodologias de apoio e promoção das aprendizagens.

Aplicamos um sistema de avaliação qualitativo, continuado e ajustado a cada etapa, que reflecte o desenvolvimento das actividades e projectos desenvolvidos pela criança, nas vertentes física, afectiva, social e intelectual. É sobretudo importante que as barreiras sejam bem definidas e que se entenda que o espaço das crianças, os seus momentos e felicidade não podem ser apenas reconhecidos pelo espaço de brincadeira, mas também pela manifestação da aprendizagem; para tal importa desenvolver dinâmicas que permitam a sistematização e memorização dos conteúdos.

Artigo publicado na revista Kids Marketeer nº5 de Setembro de 2018.