Patrícia Isidro Amaral, Ginecologista e obstetra

Os sintomas na gravidez variam muito de grávida para grávida, e, por vezes, também de gravidez para gravidez. Apesar de existirem grávidas que poderão não apresentar nenhum dos sintomas de gravidez de seguida apresentados, vamos falar dos mais comuns.

1. Náuseas e vómitos

Sem dúvida que os sintomas de náuseas, também conhecidos por enjoos, e os vómitos são dos sintomas mais frequentes no início da gravidez. Iniciam-se habitualmente por volta das quatro semanas de gravidez e tendem a desaparecer habitualmente no máximo por volta das dezasseis semanas… no entanto, nalguns casos podem prolongar-se durante toda a gravidez. Habitualmente são mais intensos de manhã, podendo algumas grávidas sentir um agravamento das queixas à noite.

Dicas:

  • É importante ingerir alimentos de forma regular, fraccionando a alimentação. Desta forma pretendemos evitar que chegue a sentir fome ou a sentir-se enfartada, extremos que podem agravar esta sintomatologia.
  • Evitar também os cheiros fortes… se para a mulher não grávida um cheiro até pode parecer agradável e suave, para uma mulher grávida o mesmo cheiro pode parecer enjoativo e agravar as náuseas e vómitos. Recordo uma grávida muito querida, cujo marido já andava desesperado à procura de champô e gel de banho… pois não havia cheiro que não lhe provocasse náuseas!
  • Temos medicação que pode ajudar no controlo dos sintomas, com o efeito secundário marcado de provocar muito sono!

2. Dores de cabeça

As cefaleias, também conhecidas como dores de cabeça, podem surgir essencialmente no primeiro trimestre, desaparecendo habitualmente por volta das vinte semanas.

Dicas:

  • Durante esta fase da gravidez, a sua presença pode ser controlada com medicação analgésica, como, por exemplo, o paracetamol.
  • De realçar que a presença de dores de cabeça no final da gravidez já poderá ser um sinal importante de alarme, quando cursa com elevação da pressão arterial. Nestas situações, a grávida deverá sempre ser avaliada pelo médico.

3. Azia

A azia, sensação de ardor e queimadura no estômago, tende a surgir com o avançar da idade gestacional, sendo, portanto, mais frequente na segunda metade da gravidez. Ocorre pelo aumento da pressão na barriga e alteração da posição do estômago motivada pelo aumento do útero, juntamente com um maior relaxamento dos músculos, condicionado pelo ambiente hormonal da gravidez. Estes factores contribuem para o refluxo.

Dicas:

  • Mais uma vez, o fraccionamento da alimentação, com pequenas e frequentes refeições ao longo do dia, pode ajudar. Devemos também elevar ligeiramente a cabeceira da cama e evitar alguns alimentos que possam agravar estas queixas, como, por exemplo, as gorduras e os alimentos lácteos.
  • Em relação aos medicamentos, no caso das medidas de primeira linha não serem eficazes, podemos recorrer aos antiácidos ou a outros fármacos inibidores do ácido.

4. Obstipação

Também como consequência do ambiente hormonal da gravidez, existe uma diminuição dos movimentos de esvaziamento, tanto do estômago como do intestino. Nas grávidas mais propensas à obstipação, esta pode surgir de novo, ou agravar durante este período. Por vezes a suplementação do ferro pode ainda contribuir como factor adicional da obstipação, apesar de algumas grávidas sofrerem de diarreia com o ferro.

Dicas:

  • Para a obstipação, é muito importante o reforço da ingestão de água, tal como um maior aporte de alimentos ricos em fibras. Não podemos esquecer o exercício físico, que, mesmo que se resuma a caminhadas, também é fundamental! Na alimentação podemos adicionar fibras com as sementes, como, por exemplo, as de linhaça, e quando estas medidas não são suficientes, recorrer a alguns medicamentos, como a lactulose, por exemplo.

5. Hemorróidas

As hemorróidas podem surgir pela primeira vez durante a gravidez, ou se, já existentes, podem agravar-se durante este período.

São mais frequentes na segunda metade da gravidez, já que estão relacionadas essencialmente com o aumento da pressão dos vasos provocada pelo crescimento do útero, sendo também a obstipação um factor contributivo. As hemorróidas são também frequentes no pós-parto.

Dicas:

  • Evitar a obstipação é um cuidado base. A aplicação de gelo local pode causar algum alívio. Podem também ser utilizados géis de aplicação local e instituir medicação para melhorar a circulação, como os venotrópicos.

6. Inchaço das pernas

O aumento progressivo da pressão dos vasos causada pelo aumento do útero ocorre essencialmente na metade inferior do corpo, o que conduz ao inchaço/edema das pernas e por vezes da vulva. Habitualmente estão mais acentuados ou surgem ao final do dia. Podem também aparecer varizes, tanto nas pernas como na região vulvar.

Dicas:

  • A elevação e banhos de água fria nas pernas podem melhorar as queixas. Devemos privilegiar ambientes frescos e reforçar a importância da utilização de meias de compressão elástica. Os fármacos venotrópicos também podem ajudar.

7. Dores nas costas e dor tipo ciática

As dores nas costas podem surgir com o avançar da idade gestacional. A gravidez condiciona algumas alterações posturais, que podem contribuir para estas queixas.

Dicas:

  • Uma postura correcta é importantíssimo ao longo da nossa vida, e o período da gravidez não é excepção. A manutenção do exercício físico é importante, de forma a reforçar a musculatura lombar, com a realização cuidada de exercícios adaptados à gravidez para evitar lesões. A utilização de uma cinta/faixa lombar pode contribuir para o apoio da zona lombar e melhorar as queixas, no entanto, algumas grávidas não sentem melhoria com a sua utilização. Na presença de dor persistente, a aplicação de calor local e a toma de analgésicos podem conduzir ao alívio dos sintomas.

8. Cansaço

O cansaço é um sintoma frequente na gravidez. No início da gravidez são frequentes as queixas de sonolência e cansaço, que habitualmente desaparecem por volta do início do segundo trimestre. No final da gravidez o cansaço pode voltar, habitualmente relacionado com o facto de, no termo, muitas grávidas já sentirem dificuldade em dormir.

Dicas:

  • No início da gravidez, tentar descansar e dormir sempre que sinta necessidade, adaptando os horários ao dia-a-dia de grávida! No final da gravidez, encontrar uma posição confortável para dormir, com a utilização de várias almofadas de apoio, pode ajudar. Não sendo suficiente, a medicação, que foi feita no início da gravidez para os enjoos, pode ser retomada à noite, para ajudar a dormir.

Artigo publicado na revista Kids Marketeer nº5 de Setembro de 2018.