O projeto “Eu Cuido”, que arrancou no Dia Mundial do Animal, dia 4 de outubro, vai continuar a percorrer as escolas do país durante este ano letivo. O objetivo da organização é atingir 50 escolas e divulgar a mensagem de que é possível criar um mundo melhor para nós e para os animais. A iniciativa decorre simultaneamente nas cidades de Faro, Lisboa e Porto.

Esta é a razão pela qual, também, se têm realizado diversas sessões de sensibilização direcionadas para as crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico sobre o bem-estar, saúde, comportamentos e necessidades dos animais de companhia, em especial do cão e do gato.

A parte prática da iniciativa fica a cargo das equipas do Grupo Operacional Cinotécnico da Polícia de Segurança Pública (PSP), – com a dupla agente e cão -, a contribuir com exemplos concretos nas sessões educativas do “Eu Cuido”. Por outro lado, a parte teórica é conduzida por um formador que complementa na aula a informação fornecida a partir de vídeos temáticos.

Com o mote “Um mundo melhor para os animais”, o projeto nasceu da colaboração da Mars Iberia e da Royal Canin com a Ordem dos Psicólogos, a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Guarda Nacional Republicana (GNR) de Lisboa e Setúbal para que, em conjunto, cheguem aos embaixadores das mudanças de mentalidade e comportamentos na sociedade: as crianças.

A coordenadora do “Eu Cuido” Filipa Herédia esclarece, em comunicado para a imprensa, que acredita «que este é um projeto que transporta consigo um grande valor educativo e social», e que estão dispostos a realizar mais parcerias para «alcançar, ao longo deste ano letivo, cerca de 50 escolas desde Lisboa ao Porto e Algarve».

Além da presença em sala de aula das forças de segurança nacionais, foram já formados mais de 200 agentes da PSP e militares da GNR para, de forma autónoma, realizarem sessões integrais nas escolas.

Desde Novembro de 2017, o “Eu Cuido” já chegou a mais de 11 mil alunos e, também, foram formados mais de 200 agentes da PSP e militares da GNR, que podem realizar, de forma autónoma, sessões integrais nas escolas. Além de que este projeto impactou 560 professores e coordenadores do ensino básico, contou com a ajuda de 40 voluntários e passou por cerca de 90 escolas em todo o país.