A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição aconselha que mulheres grávidas, a tentar engravidar ou a amamentar, e crianças até aos 10 anos evitem o consumo destes dois pescados. Tudo devido aos elevados níveis de mercúrio registados nestas espécies que são nocivos para o ser humano na fase de desenvolvimento do cérebro.

Para a faixa etária entre os 10 e 14 anos, recomenda-se que o consumo destes dois pescados não exceda os 120 gramas por mês, enquanto para a restante população o consumo deve situar-se entre as três a quatro doses por semana.

Em declarações ao jornal Expresso, Pedro Graça, diretor da faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto, afirma que “o alerta deve ser contextualizado” até porque em Portugal “a realização de análises regulares ao pescado permite avaliar com segurança o grau de risco”.

A Agência Espanhola de Segurança Alimentar e Nutrição faz agora este alerta no país vizinho devido ao surgimento de novas informações científicas, reveladas pelo “El País”, que dão conta de um aumento da concentração de mercúrio na população espanhola, relativamente aos restantes países europeus.