O choro é a única forma de os bebés comunicarem, sobretudo nos primeiros meses de vida. Antes que das primeiras palavras, é a sua forma de expressarem as suas vontades. Nos recém-nascidos é considerado um ato reflexo, que com o tempo se altera. O bebé começa a reconhecer o seu ambiente envolvente e isso vai modificar os seus próprios comportamentos.

A partir do terceiro mês, quando a criança começa a perceber que as suas necessidades são respondidas após os seus aflitivos berreiros, o choro passa a ser voluntário. Convém lembrar que isso também está relacionado a uma questão individual e de temperamento, pois há bebés que choram mais e outros menos. Contudo, a tendência é que esse comportamento diminua ao longo do crescimento da criança.

Vários motivos, nestas épocas, podem originar o choro. Geralmente quando têm fome, sono, frio ou calor. No entanto, algum tipo de dor, fralda suja, roupa desconfortável ou posição incómoda são outras razões comuns para ouvirmos um bebé a chorar.

Converse sempre com o pediatra para obter orientações de como proceder nesses casos e procure a ajuda de especialistas se o seu filho apresentar um choro diferente ou algum sintoma como febre, tosse, erupções na pele, diarreia, vómito, abdómen inchado, falta de contato visual e estado de quietude anormal. Existem síndromes e doenças que comprometem o choro do bebé.

Muitas vezes os bebés também sinalizam algum incómodo. Mas pode ser manha. Em caso de dúvida, é sempre mais seguro ir ao ter com o bebé para assegurar a sua segurança. Depois de comprovada e ele continuar a chorar, mantenha-se por perto, mas pode deixá-lo choramingar.

Antes de tomar qualquer decisão, certifique-se de que ele não está com fome, sono ou com a fralda suja. Tente perceber se o choro se pode dever à temperatura (calor ou frio). Quando o bebé tem a reclamação atendida, costuma parar com o choro.

Uma dica é conversar com ele, contar histórias, cantar canções de adormecer e passar a mão pela sua barriga.

Outra razão para o choro pode ser um pedido de mimo da mãe. Outra dica é aproximar-se do bebé e falar em tom afetuoso.

Por fim, existe também o método “mãe canguru”. Esta técnica é considerada por especialistas a melhor maneira de estreitar o contacto entre mãe e filho. O facto de estar tão próximo do corpo materno, costuma apresentar bons resultados, especialmente com bebés prematuros. Uma forma de pôr essa estratégia em prática é usar um “sling”, um acessório, normalmente feito de pano, amarrado ao ombro, que traz segurança e conforto à criança.

Acalme com métodos diferentes

Isto é o ideal para criança, pois se os pais a acostumam a certos hábitos para relaxar (como passear de carro ou no elevador, pegá-lo no colo sempre que chora), no futuro pode-se tornar mais difícil contornar situações em que não tenha os mesmos recursos.