Entretanto, existem tratamentos complementares para proteger os dentes. Um desses tratamentos é a aplicação de selantes dentários, principalmente indicados em dentes de crianças com risco de cárie dentária alta. Os dentes molares e pré-molares não são totalmente lisos, possuem rugosidades na parte que usamos para mastigar. A esta zona rugosa, chamamos sulcos e fissuras e são nelas que aparece a maioria das cáries dentárias porque, mesmo escovando muito bem, é uma zona de difícil acesso com a escova de dentes.

Selantes de fissuras, o que são e de que forma funcionam?

Os selantes de fissuras são materiais adesivos aplicados nas fossas e fissuras estreitas e profundas dos dentes para prevenir o início de lesões de cárie dentária ou interromper a sua progressão. Este material preenche os defeitos da estrutura do esmalte dentário e cria uma barreira física no dente, que impede a retenção de bactérias e alimentos nesses locais. Quando o selante é aplicado, “escorre” e ocupa todas as fissuras do dente, tornando-o mais plano.

Ao selar os dentes, o risco de cárie dentária diminui, mas periodicamente os dentes devem ser observados na consulta. Deve ainda controlar a higiene oral e reduzir o consumo de açúcares e carbo-hidratos para evitar o aparecimento de cárie noutra região do dente. Durante a mastigação ocorre um desgaste natural dessa película protectora, por isso, para manter o efeito protector, é necessário voltar às consultas de controlo indicadas pelo médico dentista da criança. Este tratamento preventivo é benéfico para a saúde oral das crianças. Realizado sem nenhuma dor durante a aplicação, é bem aceite por todas as crianças.

Como selar os dentes do seu filho?

Na consulta de medicina dentária pode aplicar os selantes de fissuras em dentes sãos num só processo. O médico dentista irá escovar e secar o dente para aplicar o selante, aplicando no final uma luz azul para endurecer o material. Este procedimento pode ser efectuado numa única visita ao médico dentista. A duração dos selantes varia mediante a higiene oral e a alimentação de cada criança.

Quais os dentes das crianças que devem ser selados?

A aplicação do selante de fissuras deve ser feita após a erupção do primeiro molar permanente, que ocorre por volta dos 6 anos e o segundo molar permanente por volta dos 12 anos. No entanto, todos os dentes que tenham fissuras devem ter um cuidado especial. Algumas crianças com dentição de leite podem também beneficiar deste tratamento preventivo. A saliva ajuda a limpar as superfícies dos dentes, mas não limpa ranhuras e fissuras. Assim, mesmo com selante de fissuras, é importante manter uma escovagem correcta, o uso de fio dentário e uma dieta equilibrada, além de visitas regulares ao médico dentista.

Não são eternos

A superfície oclusal dos dentes (parte que permite a mastigação) representa 12,5% de toda a superfície do dente, pelo que é ela a mais afectada pela cárie dentária. O selante é um “esmalte pintado” muito resistente colocado sobre o dente, mas não dura para sempre. Comer gomas e caramelos duros ou trincar gelo podem criar fracturas. Quando o selante quebra, os alimentos podem ficam presos e a probabilidade de aparecer uma lesão de cárie é elevadíssima. Torna-se mais económico selar os dentes permanentes do seu filho do que tratar a cárie depois de ela ter aparecido. Por si só, os selantes de fissuras não vão manter os dentes perfeitos até à idade adulta, mas ajudarão a melhorar a fala e sorriso das crianças.

Evitemos as cáries

A cárie é a doença infantil crónica mais comum em Portugal. Cerca de 90% das cáries dentárias, que as crianças irão ter ao longo de toda a sua vida, aparecem entre os 6 e os 14 anos. Os dentes permanentes quando erupcionam são muito vulneráveis à carie e é, pouco a pouco, com o passar do tempo, que se vão tornando mais resistentes.

A cárie dentária é uma infecção do dente, uma doença bacteriana destrutiva da estrutura dentária, produzida por bactérias que vivem na nossa boca. Ao comermos, os açúcares ingeridos que permanecem na boca são metabolizados pela placa bacteriana e, neste processo, são produzidos ácidos que baixam o pH da boca. A descida do pH ataca a estrutura mineral do esmalte, provocando a sua desmineralização.

As cáries em dentes de leite podem causar dor, abcessos e infecções, podendo contagiar os dentes definitivos. Alguns molares de leite só são substituídos entre os 10 e os 12 anos e os dentes permanentes recém-erupcionados são muito mais vulneráveis à cárie dentária. A maioria das cáries em dentes permanentes surge entre os 6 (altura em que erupciona o primeiro molar permanente) e os 12 anos, daí ser tão importante o acompanhamento das crianças pelo médico dentista, o qual vai orientar a higiene oral e a alimentação, realizando tratamentos preventivos com selantes de fissuras.

Como reconhecer a cárie dentária O primeiro sinal de aparecimento de cárie dentária é a mudança de cor no dente, a zona cariada apresenta um tom branco mais opaco. Numa fase mais avançada, observa-se uma borda amarelada, castanha ou preta em volta da zona cariada e só numa última fase existe uma cavidade no dente. A fase da cavidade é a mais fácil de observar pelos pais das crianças, mas significa um estado muito avançado de destruição dentária, em que já houve perda de esmalte e o dente está bastante comprometido. É importante compreender que quando os pais dizem “o meu filho tem um dente furado”, já foi ultrapassado um período de tempo precioso que evitaria tratamentos mais invasivos.

Para evitar grandes “choros” aí em casa, o mais importante é que os dentes sejam realmente bem escovados! Isto impede que se acumulem os restos alimentares e que apareçam as “terríveis” e nada desejadas cáries.

Insisto sempre que os pais vigiem a escovagem até aos 8/9 anos, o que causa em muitos pais algum desconforto, pois querem tornar as crianças independentes nas suas tarefas diárias, como comer ou vestirem-se sozinhos. A evidência científica comprova que o efeito protector contra as cáries é maior, quando os pais ajudam na escovagem dos dentes dos filhos com pasta fluoretada. Ou seja, as crianças que têm ajuda na escovagem têm menos tendência a ter cáries.

Lavar os dentes: sempre!

As crianças demoram mais algum tempo a desenvolver a habilidade de escovar correctamente os dentes e aperceberem-se dos pormenores das zonas que devem ser bem escovadas, pois a sua capacidade motora fina (que nos permite atar os atacadores, escrever, entre outras tarefas) desenvolve-se mais próximo dos 7 a 8 anos. Aproveite a criatividade e a curiosidade das crianças de forma a transformar o momento da escovagem numa diversão onde se aprende. Existem várias aplicações para tablet ou smartphone, entre outras ideias criativas, para que elas entendam a forma correcta de escovar os dentes para proteger dos “bichinhos das cáries”. Depois dos 5 anos, deixe a criança escovar os dentes sozinha primeiro, mas dê sempre uma excelente ajuda no final da escovagem, para certificar que todas as zonas estão bem limpas.

Soraia Oliveira, Médica dentista. Prática clínica em Ortodontia e Odontopediatria. Certificação Invisalign. Certificação Myobrace

Artigo publicado na revista Kids Marketeer nº9 de Novembro de 2019