Usar, separar, reciclar. É um processo tão fácil que até os miúdos entendem. Mas quando as perguntas começam a surgir, como é que lhes podemos explicar o que acontece às embalagens quando as colocam no Ecoponto?

Para que se torne um comportamento natural, a reciclagem deve ser incentivada desde cedo junto dos mais novos. Não basta ensinar-lhes que as embalagens de vidro vão para o ecoponto verde, as de plástico e metal vão para o ecoponto amarelo e que no azul devem colocar o papel e o cartão. Sendo a curiosidade uma das características mais distintivas das crianças, a educação para a reciclagem deve passar por lhes explicar aquilo que acontece a partir do momento em que elas deixam as embalagens no ecoponto correto e lhes perdem o rasto.

Há uma ideia muito importante inerente a todo este processo: quando separamos uma embalagem estamos a dar-lhe uma nova vida e uma oportunidade para que se transforme em algo novo. O primeiro passo é o mais óbvio e dá-se no momento em que separamos as embalagens em casa e as colocamos no ecoponto mais próximo, prontas para serem recicladas. Começa aí mesmo o processo de reciclagem.

O segundo momento acontece quando os camiões próprios para o efeito recolhem as embalagens e as transportam para as centrais de triagem onde estas são separadas por “famílias” de uma forma mais rigorosa do que aquilo que fazemos em casa. Na triagem, a separação é feita por operadores manuais e por sistemas mecânicos que, com um íman gigante, atraem o aço e eliminam tudo aquilo que não interessa. O que resta é compactado em fardos que ocupam menos espaço e permitem que o transporte e a entrega nas Estações de Reciclagem sejam mais fáceis.

Chegadas a estas Estações, cada tipo de material recebe um tratamento diferente. As embalagens de vidro, como garrafas, frascos e boiões, são derretidos. As embalagens de plástico são transformadas em granulado e o papel em pasta.

Concluído este processo, estes materiais são entregues aos produtores, como nova matéria prima, que os irão transformar em novos artigos.
Sem darmos por isso, as embalagens que usamos e colocamos nos ecopontos podem voltar a nossa casa sob a forma de novas embalagens. Como assim? Os materiais reciclados que são enviados aos produtores são posteriormente transformados num sem número de novos objetos.

Com o papel reciclado fabricam-se jornais, caixas de cartão, papel higiénico ou rolos de cozinha. O plástico reciclado transforma-se em brinquedos, ferramentas de desporto, t-shirts ou casacos. Por sua vez, o metal pode ser infinitamente reciclado para eletrodomésticos, bicicletas ou peças para carros. Já o vidro pode voltar sob a forma de garrafas novas, boiões ou frascos.

Eis alguns exemplos de objetos que utilizamos diariamente e que podem já ter sido algo completamente diferente:
• Peluche = 6 garrafas de plástico de litro
• Regador = 60 embalagens de gel de banho
• Cartas de jogar = 9 caixas de cereais
• Brinquedo = 18 latas de metal
• Revista = 5 folhas de papel A4
• Bicicleta = 700 latas de alumínio

E quando não colocamos as embalagens no ecoponto? O que lhes acontece?
As embalagens recicláveis que são deixadas no lixo indiferenciado são levadas para aterros onde ficam até se decomporem, um processo que pode demorar muitos anos até estar completo. Uma das vantagens da separação das embalagens está precisamente na poupança de espaço nos aterros, que ao não se encherem tão rapidamente não ocupam tanto espaço e não existe a necessidade de serem criados mais. Por ano, ao enviarmos as embalagens para reciclagem, desviamos do aterro um peso equivalente ao de 100.000 elefantes!

Reciclar significa também menos poluição. Ao produzirmos novos materiais através de matérias-primas recicladas, estamos a utilizar menos energia e, consequentemente, a reduzir a emissão de gases de efeito de estufa causadores do aquecimento global.
Ao mesmo tempo poupamos recursos, muitas vezes escassos, pois evitamos a extração de minério e petróleo, poupamos os leitos dos rios e evitamos o abate de mais árvores.
Foi para simplificar o reciclês que na Sociedade Ponto Verde, entidade responsável pela reciclagem de embalagens usadas, criámos a Academia Ponto Verde um projeto que leva às escolas tudo aquilo que os mais novos precisam saber sobre reciclagem. Destinado ao 1º, 2º e 3º ciclos, o objetivo deste projeto é levar alunos, professores e famílias a adotar cada vez melhores hábitos de reciclagem.

Para ajudar os pais e professores na tarefa de passar estas ideias aos mais novos, temos disponíveis várias ferramentas na plataforma www.academiapontoverde.pt, onde podem encontrar quizzes, atividades e vídeos temáticos sobre o “ciclo de vida das embalagens”, as “vantagens da reciclagem”, a “nova vida das embalagens” e as “regras de separação”.
O objetivo é também que aprendam a reciclar a brincar fazendo deste hábito um momento natural e até prazeroso do seu dia-a-dia. Deste modo, estamos a educar a geração futura a proteger o ambiente sem que isso seja um “bicho-papão”.

Com mais de 45.000 ecopontos em Portugal, vamos todos separar e contribuir para dar uma nova vida às nossas embalagens usadas?

Explicado aos miúdos
1. O que é um objeto reciclado?
É algo que já foi outra coisa numa vida passada. Por exemplo, uma caneta que já foi uma garrafa de plástico, ou uma lata de bebida que já foi uma lata de conserva.
2. O que é um material reciclável?
É um material que dá para fazer outros objetos. Por exemplo, uma caixa de ovos pode dar para fazer um livro, uma embalagem de detergente pode vir a ser um cabide.
3. Quem faz a recolha e a triagem?
As Câmaras Municipais e outras empresas de resíduos fazem a recolha e a triagem das embalagens e depois disponibilizam os resíduos à SPV que os encaminha para reciclagem.

E por miúdos…
• Todos os dias são recicladas embalagens de papel/cartão equivalentes ao peso de 2 foguetões
• Por ano são recicladas embalagens de metal equivalentes ao peso de 16 mil automóveis.
• Por dia são recicladas tantas embalagens como o peso de quase 63 mil bicicletas.
• Por hora as embalagens recicladas equivalem ao peso de 42 girafas.
• Por minuto são recicladas embalagens suficientes que nos permitem dar 1 volta completa ao Planeta Terra, tantas embalagens como o peso de 1264 bolas de futebol.

Teresa Cortes, Gestora de Marketing da Sociedade Ponto Verde