Ser mãe é o sonho de muitas mulheres, mas pode transformar-se em pesadelo. Temos de ser realistas. É verdade. Mas é remediável. Além de todo o lado bonito de ter nos braços um amor desmesurado, há um “lado negro” que atormenta muitas mães, que muitas vezes se veem perdidas, acabando com graves problemas de autoestima e até depressões: a recuperação pós-parto.

Todas as mulheres são diferentes, todos os corpos são diferentes e, se é verdade que algumas mulheres recuperam a sua forma física numa questão de semanas, também é verdade que a maioria não tem essa facilidade e debate-se durante longos períodos – por vezes, toda a vida – com excesso de peso, flacidez do abdómen e com a mama descaída. Uma mulher saudável ganha, por norma, cerca de 10-15Kg durante a gravidez. Mesmo que, com a ajuda de exercício físico e uma alimentação saudável – que são aspetos fundamentais! –, consigam regressar ao seu peso inicial, é difícil recuperarem a forma física e, neste campo, o melhor aliado das mulheres é a cirurgia plástica.

Como resultado do ganho e perda de peso e da distensão dos músculos, o abdómen fica flácido, a cintura pouco definida e é frequente excesso de pele e gordura residual nessa zona. A mama perde volume na porção superior e a pele acaba por ceder, o que, associado à posição mais baixa do mamilo, leva à ptose (queda) mamária, ficando a mama mais descaída e vazia. Ambas as partes do corpo podem ser intervencionadas sem qualquer impacto negativo para a saúde da mulher e levando-a a recuperar não só a sua forma física como a sua autoestima, o que fará dela uma mulher mais confiante e uma mãe mais forte. Ou seja, os benefícios não são apenas estéticos, mas acabam também por ser psicológicos, transformado a sua vida familiar, amorosa e profissional.

Para tratar do abdómen, a opção pode passar por uma lipoaspiração, que permitirá eliminar gorduras localizadas – aquelas que não desaparecem no ginásio – e definir a musculatura, ou por uma abdominoplastia, esta solução mais adequada para tratar da flacidez e excesso de pele. E, em alguns casos, pode fazer sentido os dois procedimentos.

A lipoaspiração é um pouco menos invasiva: faz-se introduzindo uma cânula no abdómen, que permite retirar a gordura em excesso de zonas estratégicas. O tempo no bloco é relativamente curto – uma a duas horas – e o tempo de recuperação também não é alargado. A abdominoplastia é mais invasiva, mas muito eficaz. Faz-se com uma incisão baixa, em forma de meia-luz, removendo o excesso de pele e gordura que se encontra entre o umbigo e o púbis. Apesar do comprimento da cicatriz, procura-se colocá-la numa posição abaixo da linha do bikini para evitar qualquer problema de exposição.

Para cuidar da mama há também várias soluções, à medida de cada problema. Quando a perda de volume é a principal preocupação, a solução passa por colocar um implante para regressar ao volume que tinham antes da gravidez ou até para aumentar um pouco o tamanho da mama. Se for um aumento de tamanho ligeiro, esse pode ser conseguido utilizando a gordura da paciente, retirada, por exemplo, do abdómen. Se, por outro lado, o volume mamário é adequado para a estrutura da mulher, mas a distribuição não é a desejada, estando a mama descaída, a solução passará por uma mastopexia, também chamada de “lift” mamário.

Apesar destes procedimentos serem adequados a todas as mulheres, há, no entanto, que salientar que nem todas as alturas são boas para fazê-los. Há tempos que devem ser respeitados. Para corrigir a mama é recomendado esperar pelo menos seis meses após deixar de amamentar, dando tempo para a mama retomar o seu estado hormonal normal. Quanto ao abdómen, recomenda-se que a mulher espere pelo menos um ano depois de dar à luz, já que, nesse período, poderá recuperar parte do tónus abdominal naturalmente.

Com a gravidez, o corpo transforma-se naturalmente, ganha novas formas, mas é possível voltar ao corpo pré-gravidez e voltar a sentir a confiança de outrora. Importante é que, a par dos procedimentos, o corpo seja sempre cuidado com base num estilo de vida saudável.

Por João Martins, especialistas em cirurgia plástica, estética e reconstrutiva