Para cumprir a lei de protecção de menores, a conhecida plataforma alterou significativamente as regras. As mudanças, que estão já em vigor, vão afectar os criadores de conteúdo, sobretudo aqueles que desenvolvem conteúdos infantis.

Estas mudanças profundas ficam a dever-se ao facto de o YouTube ter sido condenado a pagar uma multa de 170 milhões de dólares (cerca de 154 milhões de euros) à Comissão Federal do Comércio dos EUA. Tudo devido à forma como o YouTube recolhia dados de crianças para mostrar anúncios personalizados, sem notificar os educadores responsáveis pelas crianças.

A entidade norte-americana considerou que a plataforma não estava a cumprir a lei de privacidade infantil online, designada por COPPA (Children’s Online Privacy Protection Act). Lei esta que dita que as empresas online não podem guardar e fazer uso de dados de menores de 13 anos, sem a devida autorização dos encarregados de educação.

É então para cumprir a lei COPPA que o YouTube muda profundamente as regras. Saiba agora o que está diferente:

YouTube só para maiores de 13 anos. A plataforma YouTube Kids, lançada em 2015, desenvolvida especificamente para os mais pequenos garante agora que a lei de privacidade infantil é cumprida com as suas regras rígidas. Por sua vez, a plataforma YouTube está classificada para uso de maiores de 13 anos.

Vídeos para crianças sem anúncios e funcionalidades. Neste momento, todos os vídeos dirigidos a crianças já não contam com comentários, notificações, chats ou ferramentas para “guardar” ou “ver mais tarde”. Esta é uma das mudanças que mais afecta os criadores, uma vez que estas são as funcionalidades verdadeiramente lucrativas.

“Dirigido a crianças”. O local onde os youtubers publicam, o YouTube Studio, foi também alvo de alterações e agora os criadores estão obrigados a identificar os seus canais ou vídeos como “dirigidos a crianças” e “não dirigidos a crianças”.

Algoritmo YouTube. Ainda que a decisão seja dos criadores de conteúdos, o YouTube desenvolveu um algoritmo que identifica e classifica conteúdos para crianças, se os criadores não o identificarem como tal.